Skip to Content

CORTA!

 

Data de Estreia — Junho de 2010
Local — Estudio Zero
Classificação Etária — M/12
Texto — Cecília Ferreira
Encenação e Interpretação — Catarina Santos, Cecília Ferreira, Isabel Carvalho, Joana Magalhães
Cenografia — Hugo Ribeiro
Design de Luz — Romeu Guimarães
Operador de Luz — Diana Ribeiro
Operador Multimédia — Rui Sampaio
Voz – off — Ricardo Rocha
Teaser Publicitário — Miguel Fernandes
Fotografia — Bárbara Espírito Santo
Cabeleireiro — Leonel Fernandes
Produção — Teatro a Quatro
Produtora — Vanessa Freitas
Design de Comunicação — VILLAE

Dossier de Espectáculo

Corta!

Inspirado na mundividência cinematográfica de Pedro Almodóvar , eis um universo feminino reinventado, mas não menos excessivo e misterioso.

Quatro mulheres à beira de um ataque de nervos, e de saltos altos, aderem à lei do desejo e deixam-se perder num labirinto de paixões, de má educação, de negros hábitos e de abraços desfeitos, matadores. Às vezes choramos abundantemente. Às vezes rimos a bandeiras despregadas.

O CORTA! emanou do desejo de trabalhar sobre a comicidade do universo feminino. Almodóvar foi a inspiração e o ponto de partida. A partir daí foi um torvelinho de ideias, reflexões e um mergulhar conjunto no universo do cineasta. De um work in progress disciplinado surgiu um texto original e uma encenação colectiva.

Com Corta!, o Teatro a Quatro deu início a um trabalho de pesquisa e de cruzamento com diferentes técnicas, linguagens e conteúdos vindos de diferentes artes, nascendo o projecto TEATRO E AS OUTRAS ARTES. O objectivo deste projecto é a realização de sete criações, tendo cada uma delas uma forma de arte e um artista como mote, sempre com o universo feminino como pano de fundo.

A primeira forma de arte escolhida foi, portanto, o cinema, e Pedro Almodôvar foi o artista eleito. Neste espectáculo, a pesquisa sobre as técnicas de representação utilizadas em cinema, sobre os princípios que norteiam o seu processo de criação ( decomposição da unidade e reordenação das suas partes), sobre a construção de um argumento e sobre o próprio universo de criação do realizador, tornou o processo e o resultado artísticos muito ricos. Por outro lado, o diálogo das duas artes e de um texto contemporâneo original e baseado no processo em palco, originou um espectáculo com grande poder de comunicação com o público, conhecedor ou não conhecedor da obra do realizador.

Contribui-se, assim, para a divulgação da obra de um dos artistas contemporâneos mais conceituados do panorama cinematográfico, levando-o a outros públicos.